top of page

EUA: como a mudança climática está afetando a indústria de seguros no país

Atualizado: 5 de jun. de 2023

De grandes incêndios florestais a furacões turbinados, desastres ligados à mudança climática estão acumulando bilhões de dólares em danos em grandes áreas do país, e as seguradoras estão lutando para acompanhar.




O clima extremo alimentado pela mudança climática custou US$ 165 bilhões em 2022. O país experimentou 18 desastres naturais no ano passado, incluindo ondas de calor, furacões, inundações e secas.


Somente o furacão Ian custou mais de US$ 111 bilhões, matando pelo menos 150 pessoas e destruindo bairros. Ian também foi a segunda perda segurada mais cara desde o furacão Katrina em 2005, com perdas de $ 50-60 bilhões.

Com os desastres naturais relacionados ao clima aumentando em frequência e potencial destrutivo, as companhias de seguros nos EUA estão aumentando os preços ou cancelando completamente as apólices. A State Farm, a maior seguradora de propriedades da Califórnia, anunciou recentemente que não vai ofertar novas apólices para proprietários de residências ou empresas no estado devido ao alto risco de incêndio florestal.


A impressionante decisão se deve em grande parte às leis e políticas da Califórnia que limitam a capacidade das seguradoras de aumentar as taxas, dizem autoridades do setor. Embora a State Farm tenha reservas financeiras, a empresa decidiu que o aumento dos incêndios florestais, combinado com a incapacidade de aumentar os prêmios a níveis lucrativos era muito arriscado para seus acionistas.


A decisão não afetará os clientes atuais e sinaliza as crescentes ameaças à disponibilidade e acessibilidade de seguros diante dos desastres causados pelo clima. Para se ter uma ideia, quase 25.000 casas e outros edifícios em toda a Califórnia foram destruídos por grandes incêndios nos últimos cinco anos.


Imagem: Reprodução da Internet

Tanto a National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) quanto a National Science Foundation (NSF) dizem que estão trabalhando para criar um centro de pesquisa que se concentrará em fornecer à indústria de seguros dados climáticos para ajudá-los a lidar melhor com a crise climática.


Como a ciência do clima está ajudando as seguradoras?


Os pesquisadores estão ajudando as seguradoras a entender a frequência e a gravidade dos desastres naturais causados ​​pelo clima, como ondas de calor, secas e furacões, provavelmente no futuro. Isso permite que as seguradoras ajustem seus negócios para lidar melhor com os riscos de fornecer seguro climático.


"Tradicionalmente, a modelagem de catástrofes analisa eventos passados, enquanto a modelagem climática olha para o futuro. Combinar modelos climáticos e de catástrofes com o objetivo de produzir melhores ferramentas de tomada de decisão é um divisor de águas para os setores de seguros, resseguros e hipotecas explicou a cientista-chefe da NOAA, Sarah Kapnick.

O principal desafio para cientistas e seguradoras é que o futuro do clima extremo não será parecido com o passado, talvez tornando as previsões, pouco confiáveis. O que se sabia sobre chuva, vento e incêndio florestal em 1990, ou em 2010, é uma informação útil, mas insuficiente para entender os riscos em 2025, em 2030.


O seguro paramétrico também está sendo considerado quando se trata de ajudar as seguradoras a lidar com desastres naturais. Isso garantiria um retorno definido após um desastre natural e ajudaria a criar resiliência nas comunidades.


Conclusão

O problema se assemelha com as consecutivas estiagens no Rio Grande do Sul que impactou o equilíbrio entre capacidade, limites e coberturas no mercado de seguro agrícola. Ou seja, um evento altamente significativo que atingiu diretamente a maioria das seguradoras e reduziu a capacidade do setor, por ser uma adversidade que ocorreu ao mesmo tempo, e no mesmo local, efeito conhecido como risco correlacionado.


Reconstruir essa capacidade, normalmente, significa um aumento de taxas e redução de garantias, para assim, refletir o risco real da atividade. Já os produtores rurais não podem controlar o clima, tudo o que se pode fazer é minimizar o potencial de danos, aí que entram os corretores para entender os pontos problemáticos e mostrar quais são as soluções disponíveis diante a realidade do cenário atual. Por fim, é evidente o quanto o mundo e o setor de seguros, em geral, estão lidando com os impactos do clima e buscando alternativas para lidar com eles. Resseguradoras, Seguradoras, Corretoras e o Poder Público, estão em uma posição crucial neste âmbito e devem se preparar para o longo prazo por meio de esforços inteligentes e assertivos. Claramente, o aumento da frequência de adversidades climáticas pode "sair caro" tanto para o produtor rural quanto para as seguradoras e, por exemplo, o foco na gestão de riscos de ambas as partes, assim como a estruturação do programa de subvenção, com orçamento adequado e previsibilidade, podem ser um dos fortes aliados para o incentivo da oferta e da demanda de seguro rural no país.



Gostou do artigo? Compartilhe par alcançar mais pessoas!



Fontes:


Commentaires


bottom of page