top of page

DESAFIOS DO SEGURORURAL NO CONTEXTO DASMUDANÇAS CLIMÁTICAS

Um estudo do Climate Policy Initiative/Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (CPI/PUC-Rio) mapeou o seguro rural no Brasil, analisando a cobertura do instrumento financeiro para a soja, o principal produto segurado.




O atual contexto de mudanças climáticas exacerba os riscos na produção agropecuária. Nos últimos anos, eventos climáticos adversos, como estiagem prolongada, granizo e geada, têm se tornado mais frequentes, provocando expressivas quebras de safra e, consequentemente, aumento substancial no volume de indenizações no seguro rural. No ano agrícola 2021/2022, a forte estiagem levou as indenizações a crescerem mais de quatro vezes em relação à safra anterior, de acordo com dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep).


As perdas recordes de 2022 levaram as seguradoras e resseguradoras a registrarem gastos com indenizações maiores do que os prêmios arrecadados. Frente ao risco crescente, o preço do prêmio do seguro rural tende a aumentar e a oferta, a diminuir, podendo restringir ainda mais o acesso ao seguro e deixando, com isso, muitos produtores desassistidos, especialmente aqueles com dificuldade para arcar com os custos mais elevados das apólices.


Diante desse contexto, a política pública para gerenciamento do risco agropecuário deve ser aperfeiçoada tanto para garantir os investimentos necessários à transição para uma produção de baixo carbono como para viabilizar a adaptação do setor à nova realidade climática

Para contribuir com melhor compreensão do risco climático e o delineamento de políticas públicas de gerenciamento de risco agropecuário, pesquisadores do Climate Policy Initiative/Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (CPI/PUC-Rio) mapearam o seguro rural no Brasil, analisando a cobertura do instrumento financeiro para a soja, o principal produto segurado.


Foram identificados:


  • As regiões com maior exposição ao risco;

  • A distribuição do seguro rural nas regiões brasileiras;

  • As variáveis climáticas mais relevantes para explicar os sinistros das apólices e as perdas na produção agrícola brasileira;

  • Recomendações de Políticas Públicas.


Os resultados evidenciam que o seguro rural ainda é restrito no país, com forte concentração nas Regiões Centro-Oeste e Sul. Apesar da recente expansão da produção de soja em regiões como o MATOPIBA (que compreende áreas dos estados do MAranhão, TOcantins, PIauí e BAhia), o crescimento da cobertura de seguros não ocorreu de modo proporcional. O histórico reduzido de apólices em regiões pouco atendidas é um dos obstáculos para aumentar a abrangência do seguro rural.




O Brasil é o maior produtor de soja do mundo. Segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (Food and Agriculture Organization - FAO), o Brasil produziu cerca de 122 milhões de toneladas de soja em grão em 2020, o que corresponde a um valor de US$ 44 bilhões.1 Isso foi equivalente a 30% do valor global da produção de soja naquele ano. Em âmbito nacional, a soja também responde pela maior parte da produção agrícola.


O valor da soja produzida em 2020 correspondeu a 36% de toda a produção agrícola do país, segundo dados da PAM/IBGE. A produção de soja no Brasil está concentrada principalmente nas Regiões Centro-Oeste e Sul. O Centro-Oeste respondeu por 44% do valor produzido de soja no país em 2020, enquanto o Sul respondeu por 30%.


Vale destacar que os estados das Regiões Norte e Nordeste que constituem o MATOPIBA têm aumentado sua participação na produção nacional, saindo de 10% em 2010 para 14% do valor produzido em 2020. A presença da soja tem se expandido no território nacional: 1.800 municípios produziam soja em 2010, número que subiu para 2.388 municípios em 2020.


Como o resto do setor agropecuário, os produtores de soja estão sujeitos a uma série de riscos climáticos que podem gerar perdas de produção. Algumas localidades estão mais expostas a riscos do que outras, tendo em vista a diversidade climática e geográfica do território nacional.

O estudo aponta que, diante da nova realidade climática, é fundamental que as

seguradoras adotem modelos mais elaborados na expansão da cobertura de

seguros para as quais o histórico de sinistros é restrito.





Fonte: Souza, Priscila, Wagner Oliveira e Mariana Stussi. Desafios do Seguro Rural no Contexto das Mudanças Climáticas: o Caso da Soja. Rio de Janeiro: Climate Policy Initiative, 2023.


O Climate Policy Initiative (CPI) é uma organização com experiência na análise de políticas públicas e finanças. Nossa missão é contribuir para que governos, empresas e instituições financeiras possam impulsionar o crescimento econômico enquanto enfrentam mudanças do clima. Contato CPI/PUC-Rio: contato.brasil@cpiglobal.org www.climatepolicyinitiative.org

Comentarios


bottom of page